top of page

Na posse, Ricardo fala em abertura aos vereadores, mas já recebeu críticas pela falta de diálogo

Como já é costumeiro em seus discursos de posse, o prefeito João Ricardo Fascineli iniciou seu terceiro mandato, dois deles consecutivos, criticando os políticos que não figuraram entre seus aliados. Prometeu diálogo e portas abertas da Prefeitura aos nove vereadores. Na gestão anterior, no entanto, os parlamentares Altair Pereira da Cruz, José Roberto Legramandi e Alison de Souza Mares Rodrigues revelaram dificuldades no diálogo com a administração. Para Ricardo, “a oposição nasce e cresce diante daqueles que não gostam do município”.


Leia também:


Assista a íntegra do discurso do prefeito reeleito:


Sem mencionar o nome do ex-vereador José Roberto Legramandi, que não conseguiu se reeleger, ele o culpou pela não entrega das moradias do programa “Minha Casa em Motuca”. “Algumas pessoas, talvez por ambição pelo poder, fizeram terrorismo o tempo todo, tentando influenciar a cabeça dos outros vereadores, dizendo que aquilo era mau e que estava errado, mas (se não fosse isso) os terrenos já eram para terem sido entregues e os beneficiados construindo”, alegou.


Betão já se defendeu, inclusive em vídeo postado na Campanha, afirmando que em algumas matérias faltavam documentos e que sua conduta como vereador sempre foi de buscar esclarecimentos para evitar prejuízos aos beneficiados. Afirmou, ainda, que sempre votou favorável aos projetos quando foi convencido da legalidade.


Processo eleitoral

O prefeito também demonstrou contrariedade ao processo eleitoral conduzido pelo Cartório responsável pela realização do pleito na cidade. “Muitas pessoas ficaram sem votar, pois foram trocadas as sessões de última hora e as pessoas iam embora xingando”, pontuou ele, que levantou a necessidade dos políticos agendarem uma reunião com o chefe do órgão com o intuito de corrigir os erros para as próximas eleições.


Criticas à condução na pandemia

O prefeito também destacou em seu discurso a pandemia do novo coronavírus. “Não temos nada a comemorar, pois já são quase 200 mil mortos no Brasil e infelizmente estamos de mãos atadas”, se referindo à condução tanto pelo governo estadual como federal considerada errática por ele. “As pessoas sofrem e o governador faz um decreto para todo mundo ficar fechado e vai para Miami”, apontou, se referindo ao governador João Dória. Também criticou o presidente Jair Bolsonaro por amenizar a gravidade da doença. Não é nada porque não morreu pessoas da família dele”, alfinetou.


Contra a volta às aulas

Sobre o retorno das aulas previsto para o próximo mês, o prefeito demonstrou ser contrário. “Se não tiver vacina, eu discordo, pois dessa forma nossos filhos... sobrinhos... vão na escola pegar a doença e levam para a casa”, considerou.


Se puder, compro a vacina!

O prefeito também se prontificou em adquirir a vacina contra a Covid-19 com recursos próprios, caso haja possibilidade. “Se puder, vamos agir antes de qualquer um, comprando as duas doses para todos, pois hoje o município possui recursos financeiros”.


Emenda para programa habitacional

O prefeito João Ricardo Fascineli anunciou na Cerimônia a destinação de R$ 600 mil pelo deputado federal Arlindo Chinaglia (PT) no final do ano para ser investido na infraestrutura do programa habitacional “Minha Casa em Motuca”.


Agradecimentos:

A vice-prefeita reeleita Maria do Carmo Mendes de Oliveira teceu elogios aos diferentes segmentos da sociedade e vislumbrou uma cidade melhor nos próximos anos.


Assista ao discurso de Maria:


Comments


bottom of page