top of page

Equipe da enfermagem reage a conduta da Prefeitura em acordo sobre a jornada de trabalho

Atualizado: 9 de jul. de 2022


Servidores em reunião realizada em fevereiro para discutir jornada. Foto: Arquivo

Auxiliares e técnicos de enfermagem da Saúde de Motuca vêm reagindo contra a forma como a Prefeitura atua para mudar a jornada de trabalho da categoria. Em abril, a Câmara Legislativa aprovou a redução da carga horária de 44 para 36 horas sem alteração na remuneração. O texto foi encaminhado pelo Poder Executivo após consenso em reuniões que contaram com participação dos profissionais de saúde, vereadores e o Sismar, sindicato que representa os servidores locais.


Leia também:

Os profissionais de saúde contestam o curto espaço de tempo para a negociação, suposta falta de transparência e a exclusão do sindicato nas negociações para um acordo coletivo. A articulação da Prefeitura para a implementação da jornada está sendo realizada por Fernando Henrique Vieira Garcia, diretor do departamento de negócios jurídicos, justiça e cidadania, cargo comissionado ligado ao gabinete do prefeito João Ricardo Fascineli.

Diretor Fernando durante reunião realizado com servidores e com a presença do diretor de saúde Márcio Contarim. Foto:Arquivo

“Ele quer que a gente assine individualmente o documento fixando o trabalho de 12 por 36 horas do jeito dele... que a gente faça esse acordo sem conhecer com antecedência o que está sendo proposto e também não quer a participação do sindicato, que é nosso representante legal”, afirma a técnica de enfermagem Aparecida Pereira dos Santos Santana (Cida).


Na quarta (6), o diretor jurídico iniciou contatos com os auxiliares e técnicos de enfermagem para a assinatura do acordo e estipulou prazo para a definição até hoje (8). “Achamos que é pouco tempo. Pedimos mais uma semana e ele recusou”, revela Cida.


Além disso, o diretor informou aos profissionais que, caso não assinassem o documento com as diretrizes propostas pela Prefeitura, irão iniciar a partir de segunda (11) a jornada de seis horas diárias de segunda a sábado. “Ele quer nos castigar, pois sabe o valor do combustível. Quem mora em outra cidade, que é a maior parte, vai gastar o dobro”, destacou Cida. “E tem o domingo... questionamos quem iria trabalhar neste dia e ele disse para não nos preocuparmos que dariam um jeito”, completou.


O Cenário buscou o posicionamento do diretor Fernando e da Prefeitura por meio da assessoria de imprensa, mas não foi encaminhado até a publicação da matéria.


Comments


bottom of page