top of page

Na Tribuna Livre, moradora pede apoio aos vereadores para transporte de trabalhadores para Matão


Kathleen representou grupo de 36 trabalhadores

Um grupo de 36 moradores vem buscando sensibilizar a administração municipal a disponibilizar transporte diário para Matão, passando por empresas localizadas em área da extinta Usina Santa Luiza. Sem o serviço, eles utilizam veículos próprios, o que vem acarretando em altos custos e dificultando a geração de emprego na cidade vizinha. A Prefeitura já realiza o transporte para Araraquara, por meio de veículo da Saúde.


Representando o grupo, Kathleen Cristina Soares Thomasini Barros utilizou a Tribunal Livre da Câmara na segunda (6) com o intuito de pedir apoio aos vereadores para a conquista do benefício.


“A motivação não é pelo conforto, mas pela necessidade que temos hoje. Precisamos usar veículos próprios, o que é inviável pelos gastos com combustível e reparos que temos que fazer”, discursou. Para ela, a cidade não consegue suprir a necessidade de trabalho e é necessário facilitar o acesso a outras localidades. “Esse recurso, além de ajudar as pessoas que trabalham em Matão, irá abrir portas para aqueles que recebem propostas e não podem aceitar devido à dificuldade de locomoção”, pontuou.


Kathleen trabalha há quatro anos na área de marketing de uma indústria de implementos agrícolas de Matão. Ela calcula em R$ 800 os custos mensais com a viagem. “Meu carro é 1.0, mais econômico, mas o valor dos combustíveis está cada vez mais alto”.


Na Tribuna, ela assegurou aos vereadores e ao prefeito que a medida trará retorno à cidade e que podem ser discutidas contrapartidas para viabilizá-la. “Podemos oferecer kits de limpeza e de higiene com valor a ser estipulado ou outro meio que seja interessante para o município”.


Na mesma Sessão e como resposta à demanda apresentada, oito vereadores protocolaram indicação conjunta direcionada ao prefeito João Ricardo Fascineli para que avalie a disponibilização do serviço aos trabalhadores. No documento, foi estipulado o horário de saída às 6h com retorno às 17h30. Foi assinado por Alison, Paulinho, Danielle, Gabriel, Gilson, Tuca, Renato e Vera.


Aguinaldo considera que disponibilização de transporte pode inviabilizar outros investimenos

Único a não assinar, Aguinaldo justificou sua posição por considerar que o município não possui estrutura para atender as demandas pelos transportes sem prejudicar outros setores da cidade. “Não estudei a fundo o gasto que a Prefeitura teria. Existem demandas no nosso município de melhorias em investimos para jovens, adolescentes e até adultos. O dinheiro poderia ser usado para facilitar a vinda de empresas e gerar renda e não levar mão de obra nossa para outro município”, argumentou


Ele diz, porém, compreender as dificuldades dos trabalhadores, já que essa é também a sua realidade. “Faz 15 anos que trabalho em outros municípios. Fiquei 12 anos indo de segunda a sexta. Vinha só de final de semana para ver minha mãe. Na Santa Cruz saía às 5h30 da manhã e chegava às 18h30. Agora estou trabalhando a quase 50 km de distância”,relatou.

Comments


bottom of page