top of page

Insistência de Danielle em violar regra de votação resultou em briga entre prefeito e professor

Atualizado: 8 de nov. de 2021

O que era para ser uma reunião para decidir sobre a adesão do município ao Programa de Ensino Integral (PEI), do Governo Estadual, voltado aos alunos do ensino médio, terminou em caso de polícia, com briga envolvendo o prefeito João Ricardo Fascineli e sua esposa, a vereadora Danielle Mércia Petrazzo Fascineli, e um professor. O evento, realizado na tarde de ontem (4), contou com a participação de representantes da comunidade escolar (professores, servidores, alunos, pais e responsáveis).


Leia também:

A própria Danielle acionou a Polícia Militar (PM) durante a confusão, iniciada após insistir em violar regra do Programa que permite apenas um voto por familiar. Na ocasião, foi informada por uma servidora do estado que o filho, estudante do ensino médio, já tinha votado. Mesmo assim, se revoltou com a determinação, pois alegou que seu voto seria como representante da comunidade. A argumentação, no entanto, não foi aceita.


No Boletim de Ocorrência (BO), o professor disse que o prefeito estava alterado e teria se dirigido a ele com ofensas, lhe agredido com empurrão e feito ameaças. “Com você acerto lá fora”, disse o prefeito, segundo o professor, que também acusou a 1ª dama e vereadora de desferir xingamentos.


Ricardo também ignorou as regras e disse que foi impedido de votar. Na versão dele sobre a briga, o professor estava no corredor da escola com os braços abertos impedindo sua passagem, o que o fez “esbarrar” nele para poder passar.

O supervisor do estado também prestou depoimento e afirmou ter presenciado as ofensas do prefeito contra o professor. Em seu relato, a Secretária de Educação Cristina Sanches afirmou que o supervisor a chamou na sala cobrando harmonia na escola para possibilitar a votação. Disse, ainda, que ele se dirigiu a ela com ofensas.


Ricardo acusa professores de influenciar alunos, sugere derrota do PEI e afirma que irá buscar municipalizar ensino médio


Em live publicada em seu perfil no Facebook (assista abaixo), o prefeito João Ricardo Fascineli sugeriu que a maioria dos votos foi contrária a adesão do município ao Programa de Ensino Integral (PEI). O resultado, de acordo com ele, foi motivado por professores que teriam feito apologia pela recusa da iniciativa junto aos alunos. Diante disso, afirmou que iria se reunir com o Diretor Regional de Ensino e com os vereadores para buscar municipalizar o ensino médio.


Defensor da iniciativa estadual que, de acordo com ele, irá melhorar a qualidade do ensino médio da cidade, o prefeito argumentou que os professores não querem o programa em razão de prejuízos na rotina atual, pois a maioria mora em outras cidades. “Porque vão ter que trabalhar mais, chegando aqui às 7h e não mais ao meio dia”.


Ricardo disse ainda que os alunos não teriam capacidade de decidir em razão imaturidade, pois não seriam responsáveis por suas vidas. "Eles ainda não sabem o que é melhor para vida deles e nós (pais) sabemos o que queremos para os nossos filhos", sublinhou.


O prefeito também afirmou que os professores mentiram aos alunos afirmando que teriam que trazer alimentos de casa, pois não seria servida a merenda.


Ao Cenário, professores demonstraram preocupação com a prematuridade da discussão sobre o tema, além da interferência política e falta de estrutura da escola, pois não há salas de laboratórios como preconiza o Programa e serão necessárias improvisações.


Procurada, a direção do ensino médio disse que o resultado da votação só poderia ser informado pela Secretaria de Educação do Estado. O Cenário irá encaminhar as perguntas e publicar as respostas assim que forem encaminhadas. O Site não foi autorizado pela pasta a participar da reunião com a justificativa que seria "restrita à comunidade escolar".


Assista ao vídeo publicado pelo prefeito:






Comments


bottom of page